quarta-feira, 14 de março de 2012

Ainda há juízes em Abdon Batista

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) se vangloria de invadir propriedade privada nas suas "ocupações" protestando contra isso ou aquilo. Para eles, isso é uma vitória, algo que deve ser colocado em evidência. E não achem que estou falando isso por minhas opiniões. Fui ao site do MAB, onde vi essa notícia sobre a ocupação do canteiro de obras da UHE Garibaldi, no município de Abdon Batista, em Santa Catarina.

Essas coincidências...
Segundo o MAB e seus papagaios na imprensa, 500 pessoas ocuparam o canteiro de obras da UHE Garibaldi. E vejam que coincidência: segundo o Diário Catarinense, ocorreu um incêndio no canteiro de obras na mesma madrugada em que os "manifestantes" do MAB "ocuparam" a obra. 

Coincidência? Onde fui criado isso tinha outro nome, (Fonte: DC)

Um profissional que trabalhe com hidrologia (do tipo que trabalha pra hidrelétricas) detêm algum domínio dos conceitos de probabilidade, porém qualquer cidadão, baseado no senso comum, pode supor que há alguma coincidência entre a chegada do MAB e o incêndio. Por sorte, o conceito de propriedade privada ainda possui algum valor no Brasil, e no judiciário ainda temos juízes que lembram da Constituição. 

Respeitem a Constituição
A juíza Mônica Grisólia de Oliveira determinou que a UHE Garibaldi deve ser desocupada. Ou seja, mesmo que naquele município não exista qualquer vara da justiça, ainda há juízes em Abdon Batista. A lei vale para todos. E essa é a mensagem que deve ser passada para MAB, MST, Movimento-qualquer-coisa, ou o raio que os parta. Vocês podem protestar contra quem ou o que quiserem, mas as leis valem - ou deveriam valer - para todos, da mesma forma. Independente, como fala a Constituição, de "origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação". Ou minhas noções de direito estão erradas ou nossa carta magna não garante o direito de cometer crimes quando nos julgamos injustiçados. Para lidar com aqueles que não concordam ou não conseguem conviver com as regras estabelecidas, foram criadas  ferramentas e mecanismos, entre eles a polícia e a prisão. 
Aprendam a conviver com a democracia.  Em um Estado democrático e de direito, qualquer parte pode procurar a justiça caso sinta-se lesada por outrem. Ou isso, ou meus conceitos de direito estão totalmente errados. Proponham quaisquer mudanças que acharem necessárias, mas não atentem contra o regime (democrático) que lhes proporciona a possibilidade de mudar as regras. A juíza Mônica Grisólia de Oliveira já lhes deu uma lição. Aprendam com ela, antes que outros sejam menos lenientes e usem os mecanismos que a sociedade criou para protegê-la de pessoas que não respeitam a lei: a cadeia. E não culpo aquela massa de manobra que lá está "ocupando" a usina. Imagino que sejam trabalhadores - na melhor das hipóteses - enganados por gente que lhes roubou o pensamento próprio, substituindo-o por uma noção tupiniquim (e burra) da luta de classes. 

Más influências
Dizem que as prisões são criadouros de bandidos. No caso de encarcerar os líderes do MAB, minha maior dúvida é: eles sairão piores que entraram, ou convencerão o ladrão de galinhas que o melhor mesmo é formar uma organização criminosa com um véu de "justiça social"? Temo que seja a segunda opção. Se prenderem os líderes de MAB, MST e afins, imagino que logo teremos um Movimento dos Presidiários Sem TV a Cabo.

E a imprensa nisso?
Como acontece em outros casos, a exemplo dos press-releases das ONGs ambientalistas, MAB e MST também possuem uma claque de jornalistas simpáticos a suas "causas". E são  eles que fornecem a publicidade necessária para esses movimentos se manterem. De outra forma, já teriam definhado e sumido. Eles podem ocupar usinas, mas a ocupação que realmente importa é a das notícias. Quem dera um dia ocupassem o banco dos réus por suas ações criminosas.



P.S.: Para saber um pouco mais sobre a expressão que originou o título do post, "Ainda há juízes em Berlin", leiam esse link.

15 comentários:

  1. E assim caminha o Brasil, a passos lentos e com leis brandas o maior atigindo com tudo esses movimentos e o próprio povo brasileiro, funcionarios que não podem trabalhar em paz e a comunidade local com esse tipo de repressão falida desses movimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, acredito que a lei existe e deve ser cumprida, porem o que vc não sabe qual é a razão para os atingidos estarem revoltados. sera que é certo desapropiar uma famila, tirar a moradia de uma familia e mandar embora sem direito a nada, e sem direito de defesa sem ter a quem recorrer, acho que vc não conhece a realidade o sofrimento que familias que ali viviam feliz, hoje passando um drama correndo atras da empresa que esta retirando as pessoas de suas moradias, tendo que se ajoelhar implorando para ser indenizado. sera que isso é democratico.Isso é democracia, pois bem essa lei que vc tanto quer que seja cumprida ela só vale para os ricos, e empresas que querem ganhar dinheiro, porque se existisse democracia e lei igual para todos, essas familias não prescisavam estar invadindo implorando para que sejam vistas, sendo que na verdade quem esta invadindo a moradia dessas familias é a empresa. Por isso meus amigos, antes de começarem a escrever coisas sobre alguem procurem saber a realidade o porque que os fatos acontecem.

      Excluir
    2. Sr. ou sra. "direitos humanos":

      Peço a gentileza de atentar para a parte do texto em que escrevo:
      " Vocês podem protestar contra quem ou o que quiserem, mas as leis valem - ou deveriam valer - para todos, da mesma forma. Independente, como fala a Constituição, de 'origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação'. Ou minhas noções de direito estão erradas ou nossa carta magna não garante o direito de cometer crimes quando nos julgamos injustiçados."

      Se você não estivesse envergando seus antolhos esquerdistas, veria que escrevi que as leis devem valer para todos. O ponto central do texto é dizer que mesmo que você se sinta injustiçado, isso não lhe dá o direito de transgredir a lei.
      Pegue sua luta de classes e vá... estudar!

      Excluir
  2. Querido Davi... e uma pena que as pessoas falem como se fossem donos da verdade... você mora em Abdon Batista??? É atingido? Com certeza não... meu pai, várias pessoas próximas serão atingidas...e a empresa quer praticamente "expulsar" as pessoas de suas terras, com preços que estes jamais conseguiram se estabilizar. Prenderam outro funcionário da empresa tentando atear fogo nos alojamentos na madrugada de ontem... então não fale com tanta convicção com aquilo que você não convive... Pimenta no olho do outro é refresco... Portanto, que venha o MAB, quem quer que seja... É o Brasil onde a justiça tem como sobrenome a injustiça, e o dinheiro compra tudo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai... ninguém pode falar daquilo que não convive. essas pessoas falam daquilo que não sabem, eles não sabem que foi a empresa que sabendo da invasão do MAB iria ocorrer ateou fogo no próprio escritório. Pura estratégia para não pagar as contas, para atrasar... e o povo ainda acha que eles são sérios, ao invés de trabalhar eles querem explorar, roubar, e os retardados ainda concordam com isso.

      Excluir
    2. Anônimo 2:

      Se você sabe que foi a empresa que colocou fogo no escritório, de duas uma: ou você trabalha para a empresa e ajudou a colocar fogo no escritório, ou você testemunhou alguém ateando fogo ao escritório.
      OPa, me lembrei que há uma terceira alternativa: você está falando de algo que não sabe, exatamente o contrário do que você escreveu.
      Minha sugestão: caso você viu algo ou participou do incêncio, vá à delegacia mais próxima. Caso você esteja falando sem saber, vá ter umas aulinhas de lógica antes de falar bobagem por aqui.

      Excluir
  3. Não precisa morar em Abdon Batista e nem mesmo ser um atingido para ver que essas pessoas são ridículas e mesquinhas. Vão trabalhar mabeanos, ao invés de ficar encomodando e atrapalhando quem quer trabalhar.

    ResponderExcluir
  4. Esse post deveria tornar-se artigo de opinião e ser distribuído a jornais Davi. É inadmíssivel o que acontece neste País. O triste, é que no final das contas, estas pessoas realmente acham que fazem não é crime e sim justiça?????. O pior é que a tal massa de manobra, no futuro, var ver onde se enfiou. Uma pena que organizações, como esse tal MAB ou MST ou o que que for, não abrem suas contas e relatórios financeiros, como qualquer empresa o faz, seria interessante ver como justificariam o pagamento de diárias para "invadir" locais e/ou empresas no país inteiro, aluguéis de ônibus para ir pra quebradeira, bebida pra aquecer e impor coragem. Como alguém já comentou por aqui...vão trabalhar mabeanos!!!

    ResponderExcluir
  5. Brilhante sua opinião Davi, esses movimentos não podem ficar impunes, precisamos fazer a diferença neste país.

    ResponderExcluir
  6. É incrível como pensam essas pessoas mabianas, ao invés do diálogo preferem o vandalismo e iludem com conversas, pessoas boas que se deixam levar pela ideia de desocupados que nada fazem. Não contem como vitória esse tipo de ato porque isso merece punição, cadeia...

    ResponderExcluir
  7. Saudades da CRAB, onde se tinha um movimento social que ao menos se preocupava realmente com as pessoas, infelizmente, de trampolim político para muitos passou a ser "negócio",onde os menos esclarecidos pagam por supostos benefícios que recebem os quais já lhe eram de direito a muitos espertos. A comissão cobrada de cada beneficiário dos muitos reassentamentos já implantados não fortalece só o movimento, mas o bolso de vários dentro do Movimento. A impunidade que é inerente ao nosso País em todos os setores também está imperando aí em Abdon Batista. Quem sabe um dia isso mude!!! KKKKKKKK

    ResponderExcluir
  8. É importante dizer que nesta região já foram construídas outras barragens, processo que fez os atingidos, os municípios, os comerciantes já terem experiência adquirida dos significados positivos e negativos da construção de uma barragem. Por este e outros motivos, foi muito grande a participação da população já nas primeiras audiências públicas realizadas. Mas também como é de praxe quase todas as sugestões, preocupações e propostas da população foram desconsideradas. A grande questão levantada e nunca respondida pela empresa é: se a obra for construída os direitos dos atingidos serão garantidos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo de 22/03, tenho duas dúvidas:
      1) Quais são, especificamente, os direitos dos atingidos e em qual legislação eles são garantidos?
      2) Estar descontente com o desenrolar de algo justifica vandalismo?
      Entendo sua posição, porém ainda vivemos em um estado de direito. Caso você ou qualquer um ache que foi prejudicado indevidamente ou ilegalmente por outrem, recorra à justiça.

      Excluir
  9. ...mas como punir os Movimentos Disso e Daquilo, se eles sao sustentados pela chefe-Mor da nação??, vide Jose Rainha, sustento financeiro oriundo, como se ninguem soubesse, dos cofres do PT, ou vá dizer que nao sabiam??
    Davi, voce merece que esse post esteja em colunas de jornais de todos os lugares que existem Movimentos de algo, isso porque expressa bem, tudo aquilo que eles sao.
    att.

    ResponderExcluir
  10. repressao falida?.. imaginem voces, que sua terras estao ameaçadas e vcs nao estao sendo indenizados devidamente, porque uma porra duma empresa que outrora fez calotes, e prejudicou a muitos (para crescer) agora invade uma area e diz aos moradores, saiam ou se afoguem. ou, mesmo se vc ama o lugarzinho qu seu pai morava, e cultiva lá...porque teria q sair corrido de la ou memso pago, se vc nao quer,...so pq uma empresa ira construir ali. e os direitos dos menos favorecidos??

    ResponderExcluir