quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Acuse-os do que você faz

Hoje descobri que existe na internet um tal "Movimento Arena Não". Ele é uma reação à criação (ou recriação) da Aliança Renovadora Nacional, ou ARENA, partido político da época dos governos militares do século passado. 
Já o pessoal do Movimento ARENA Não diz que a fundação do partido é uma "agressão psicológica" às vítimas do regime militar. Além disso, os idealizadores dizem que são apartidários, que seu "partido é a democracia", como pode ser visto na figura abaixo:

Descrição do Movimento ARENA Não, direto de sua página no facebook.

Olhando o estatuto do partido, eu não concordo com um monte de pontos que eles defendem, porém acho salutar que existam mais partidos de direita. Pessoalmente, concordo mais com os libertários, apesar de não ser filiado a nenhum partido. Se alguém quiser dividir ainda mais o já saturado espectro esquerdista, que crie mais partidos de esquerda também. A divergência é característica de democracias. E convenhamos, esse papo de "agressão psicológica" somente pela existência de um partido com o nome ARENA parece coisa do pessoal que defende a PLC 122 (com respeito a todos os gays por aí que não são anti-democráticos). 
Quando se fundaram os trocentos partidos de esquerda do país (praticamente todos), não houve qualquer reação. Nenhuma manifestação. Ninguém quis proibir que esses partidos existissem, apesar de alguns partidos se dedicarem mais ao roubo de dinheiro público que à representação de uma parcela da população. Afinal, democracia é legal para os "companheiros". Mas quando é para a direita, não serve, né?

As críticas à presidente
Alguns criticam o partido simplesmente pelo fato da presidente e fundadora da nova ARENA, Cibele Bumbel Baginski, ser jovem demais (23 anos), apesar de ter maioridade legal para fundar o partido. Não sei (e admito) se a tal menina não possui bagagem suficiente para compreender exatamente o que ela está fazendo ou se ela é um gênio da política. Porém, ela tem todo o direito de fundar um partido com o nome que quiser e bem atender, desde que atendidos os requisitos legais. Ainda que eu, você ou os esquerdinhas não concordem com nada que o partido propõe.
Gisele também foi criticada pois é bolsista do Prouni. Na "argumentação" de alguns energúmenos, ela não poderia ser contra cotas se é beneficiada por um programa governamental que também possui cotas. Ora, pensem comigo (é de graça):

  • Se o pagamento por um determinado serviço é compulsório, não há absolutamente nada de errado em um cidadão que paga por este serviço utilizá-lo. E aí entram SUS, defensorias públicas, atendimento policial, estradas, e por aí vai. 
  • Não há nada que impeça uma pessoa de defender pacificamente que o Estado pare de bancar educação pública, saúde pública, previdência pública. 

Ora, que contradição há em pagar por algum serviço, e de fato utilizar aquele serviço ou benesse? Dadas as práticas comuns à companheirada brasileira, daqui a pouco vão fazer um dossiê com todas as vezes em que a menina foi atendida em um hospital do SUS.

Fascistas! Quem?
Vejam a figura abaixo, direto da página do movimento contra a ARENA:

Tortura? Só contra a língua portuguesa.

Uma das taras esquerdistas mais frequentes quando querem ofender alguém é rotulá-los de fascistas ou nazistas. Ora, qualquer um com meio cérebro e algum conhecimento de política e história sabe que os nazistas e fascistas eram de... esquerda! 
Isso é somente mais uma instância da aplicação da máxima de Lênin: "Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é!" Se alguém no espectro político possui afinidades com o fascismo, seria a esquerda. 

Liderando pelo exemplo
O pessoal desse movimento fala que não é contra o partido em si, mas contra o uso do nome "ARENA". Contudo, na página do ato do movimento, adivinhem:

Só eu li "Ato contra a refundação do partido Arena"?
Como eles são muito democráticos e tolerantes, não se furtam a mostrar isso ao mundo:

Ele realmente acha que a direita é fascista.
"Contra meus desafetos, o pau de arara." Uma prática bem democrática. 

Acuse-os do que você faz
Esse povo do movimento quer impedir a criação de um partido cuja ideologia eles não concordam. Contudo, impedir a criação de um partido contrário a seus ideais é uma prática típica de... ditaduras!
Fundar um partido com o nome de ARENA pode até ser um nome de mau gosto. Não é o primeiro. O Partido Progressista não tem nada de progressista nele, exceto a progressão logarítmica do saldo das contas do Maluf. Eu acho de muito mau gosto, por exemplo, que a última vez que o presidente de honra do Partido dos Trabalhadores trabalhou de verdade foi na época da ditadura. Alguns apontam que nem naquela época ele trabalhava muito.
Na página do movimento contra a ARENA, é repetida várias vezes a frase "Pense, ainda não é ilegal". Isso vem do mesmo pessoal que acha que o fascismo foi de direita, que o pau de arara é ícone da livre-expressão democrática e que querem impedir a criação de um partido que, apesar das controvérsias, não cometeu nenhuma ilegalidade desde sua (re)fundação. Acho que a frase está incompleta. Considerando que  um dos administradores da página do "Movimento Arena Não" escreveu na página "eu, um dos administradores, não acho o socialismo a solução (embora considere uma etapa de transição para um sociedade utópica e perfeita)", imagino que a frase completa seria "Pense, ainda não é ilegal. Mas espere até criarmos nossa sociedade utópica e perfeita".
Quem lê isso pode inicialmente pensar "prefiro mil ARENAs à utopia socialista". Entre uma ditadura de esquerda e uma de direita, eu prefiro uma democracia, onde a ARENA tem o direito de existir, e mesmo os idiotas que defendem essa utopia socialista tenham o pleno direito de ser idiotas.


ATUALIZAÇÃO EM 07/12/2012 - 02:19hs
Não deixem de ler o texto que escrevi logo depois desse, com as provas das tendências totalitárias desse povinho do Movimento Arena Não.

3 comentários:

  1. Vale a pena ressaltar que a nova Arena, até onde se sabe, não apoia e muito menos quer reviver a ditadura militar outrora apoiada pela antiga Arena como os esquerdistas afirmam tão veementemente. Vários partidos brasileiros são "filhos" da antiga Arena, mas com o passar dos anos acabaram perdendo seu posicionamento real, e vemos muito bem o resultado disso nas eleições onde PT, PP, PMDB, PSDB as vezes estão unidos na mesma coligação. Por falar em PT, lembrei de algo que vale a pena ser citado. Os esquerdistas, parafraseando o autor, adoram rotular aqueles que tem opiniões e posicionamentos políticos divergentes aos seus de nazistas e fascistas, mas se bem me lembro, o partido nazista alemão chamava-se Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, em bom português, Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Notaram as palavras mágicas, PARTIDO DOS TRABALHADORES, que como todos sabemos era de ESQUERDA. E para finalizar, pois minha barriga está doendo com a jocosidade dos argumentos esquerdistas, pergunto. Como a nova Arena vai trazer novamente o regime militar se nosso exército é uma piada? Recentemente uma matéria divulgou que o exército nacional além de ter equipamentos sucateados e obsoletos, não tem munição para 1 hora de guerra. A nova Arena vai fazer o que? Usar revolveres de espoleta e espingardas de pressão?
    A esquerda que sempre foi oposição, agora não quer opositores?
    "Pense, ainda não é ilegal. Mas espere até criarmos nossa sociedade utópica e perfeita", isso me lembra um de meus autores favoritos, George Orwell, em 1984.
    Mas eu não deveria afirmar isso, afinal estou em frente, mesmo que por vontade própria, à personificação da Teletela e os membros do Partido podem estar meu observando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Felipe,

      Menos de 5 horas depois de seu comentário, adivinha o que os caras do "Movimento Arena Não" propõem? Uma bela fogueira de "publicações subversivas".
      O que prova o ponto: não importa quão baixo você pense que esses babacas podem ir, eles nunca surpreendem.

      Excluir